É bastante comum o pensamento de que a comercialização fora do país é apenas para grandes companhias, mas, isso não passa de um mito. Com a globalização e a facilidade de comunicação por meio da tecnologia, nunca foi tão fácil se relacionar com o mundo afora, e o comércio exterior para pequenas empresas têm se tornado cada vez mais forte.

Neste post, vamos falar um pouco sobre esse tipo de negócio. Então, se você está interessado e quer saber mais, continue a leitura.

Como é o comércio exterior para pequenas empresas?

Realmente os números de exportações das pequenas empresas é muito baixo e só representa 1% do total. Isso acontece por dois principais motivos: o primeiro é a falta de informação dos empresários e segundo é que a grande maioria começa sempre com o foco no mercado interno.

O Brasil ainda não investe tanto em comércio internacional quanto deveria e isso vale para as empresas de todos os portes. O fato das companhias menores acreditarem que essa fatia do mercado não é para elas pode prejudicá-las — e muito. Por isso, elas acabam perdendo boas oportunidades de negócio e, consequentemente, de crescimento.

Porém, é preciso perceber que, na época de crise financeira — na qual o país se encontra —, a exportação de produtos pode ser uma boa saída para os negócios menores que, normalmente, são os primeiros a fecharem as portas em um cenário como esse.

Para que esse investimento realmente dê frutos, é preciso planejar com o máximo de cautela e avaliar todos os fatores e oportunidades que o mercado oferece. Afinal de contas, nem todas combinam com o seu empreendimento, por melhores que sejam.

Essa combinação de exportação com as pequenas empresas se tornou tão importante que o governo brasileiro já iniciou os investimentos. O presidente da CNI (Confederação Nacional da Indústria) e o ministro do MDCI (Indústria, Comércio Exterior e Serviços) assinaram um acordo no qual firmam um compromisso em ajudar essas companhias — cerca de 474 — a fazerem a sua primeira exportação até abril de 2018.

O cenário se mostra bastante promissor e, para te ajudar a fazer parte desse mercado da melhor maneira, vamos te dar boas dicas de como começar a exportar os seus produtos e serviços!

Como expandir o seu comércio no exterior?

Participe de eventos em outros países

Uma ótima forma de conhecer como o seu nicho de atuação se desenvolve em outro país é participando de eventos sobre o assunto. Feiras, seminários e congressos no exterior são ótimas formas de sondar o mercado antes de começar as vendas.

É uma forma de aprender sobre o comportamento dos consumidores, se o mercado externo já possui uma grande quantidade de empresas que fornecem o mesmo produto e como a sua pode se destacar da concorrência. É uma maneira de adaptar o seu produto para que seja bem recebido.

Faça marketing digital de acordo com o idioma

Se você pretende investir na exportação, então precisa se dedicar também no marketing direcionado para o país em questão. Por exemplo, se a sua empresa tem um site e um blog, é necessário que esses meios de comunicação e conteúdo também sejam produzidos em língua estrangeira. O ideal é criar um outro site e um outro blog com enfoque na população de país de forma específica.

Tenha também pessoas no setor de atendimento que possam se comunicar facilmente com os consumidores e outras empresas — você pode contratar esses novos funcionários diretamente ou pode terceirizar o serviço no exterior.

Tente pedir ajuda

Se você não sabe como começar a exportar os seus produtos, o ideal é pedir ajuda para outras empresas que possam te guiar nesse caminho. Órgãos que atuam em parceria com o governo — como o Diretório Brasileiro das Comerciais Exportadoras — são boas alternativas. Busque também por associações de comércio que estejam próximas de você e tire as suas dúvidas.

Há diversas empresas que oferecem serviços específicos para outras que queiram exportar os seus produtos, veja quais são:

  • Correios: oferece serviços tanto para empresas, quanto para pessoas físicas, enviando mercadorias e documentos diversos para o exterior;

  • Apex: além de manter programas com diversos setores da economia, visa preparar as pequenas empresas para ingressar no mercado externo informando-as e qualificando-as. Ela também faz a intermediação entre essas companhias e as instituições financeiras;

  • Sebrae: fornece diversos cursos e capacitações visando informar e orientar os empresários para internacionalizar a pequena empresa;

  • ACP: A Associação Comercial do Paraná oferece serviços para exportação, como certificados de autenticidade que ajudam os seus produtos a serem bem recebidos lá fora.

O que fazer para iniciar a exportação em pequenas empresas?

Faça uma análise interna

Antes de mais nada, é preciso saber se a sua empresa está preparada para atender o mercado de outros países. É necessário analisar a qualidade dos produtos, os materiais que são utilizados — dependendo, alguns são proibidos em determinados países — e se há, realmente, produção suficiente para a demanda.

Isso significa que, além de manter os clientes do mercado nacional e garantir outros, você também terá que produzir mais para conquistar os de fora. Assim, será necessário ter capital para dobrar o ritmo de produção.

Tenha flexibilidade

Muitas vezes, apenas aumentar a produção não é o suficiente para garantir o sucesso nas exportações. Fazer algumas adaptações no produto pode ser necessário por conta de fatores culturais, por exemplo.

Modificar o tipo de embalagem, o tamanho e, até mesmo, a cor do produto pode ser necessário para fazer com o que o seu produto seja bem recebido também pela população de outros países. Portanto, uma série de adequações podem se tornar necessárias, além de você precisa ter certeza que terá como cumpri-las.

Esteja atento para as questões legais

Essa é uma etapa que não pode ser pulada e muito menos deixada de lado, afinal de contas, se o seu produto não estiver de acordo com a legislação do país, ele nem passa pela fronteira. Isso significa tempo e dinheiro perdidos e um imenso prejuízo.

Da mesma forma que temos a Anvisa aqui no Brasil, os outros países também têm e é preciso averiguar bem as normas antes de fechar qualquer tipo de contrato. Verifique se a sua empresa tem condições de modificar o produto para que ele se encaixe nas exigências do mercado estrangeiro.

O comércio exterior para pequenas empresas não é algo impossível, mas exige tempo e dedicação para se planejar e conhecer bem todos os fatores que podem interferir. Quer saber mais sobre o assunto? Leia também o nosso outro artigo sobre os 6 passos para preparar o seu empreendimento para exportar!